E minha alma arde nessa existência sombria.
Tenho sentido em mim todo o peso do mundo e, cada vez mais, meus ombros cedem.
E eu quero ceder, não sou Atlas pra suportar essa maldição.
Minhas noites são tão longas e eu acalento a solidão
Ana Novaes   
É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou. Entregar todos os teus sonhos porque um deles não se realizou, perder a fé em todas as orações porque em uma não foi atendido, desistir de todos os esforços porque um deles fracassou. É loucura condenar todas as amizades porque uma te traiu, descrer de todo amor porque um deles foi infiel. É loucura jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo. Espero que na tua caminhada não cometa essas loucuras. Lembrando que sempre há uma outra chance, uma outra amizade, um outro amor, uma nova força. Para todo fim um recomeço.
O pequeno príncipe. 
O nosso amor não é de aceitar presságios e muito menos finitude. Ele tem resistido ao sobe-e-desce das escadas, atravessado todas aquelas ruas conturbadas, mas se manteve forte diante dos perigos. De arestas reparadas, perdeu o medo das ondas do mar, já não anda sobre as nuvens nem grita ao vento sua existência. Agora se fez correnteza ao rio, porto seguro em terra firme, silêncio que fala de mansinho. É partida com direito de chegada, voo livre com pouso seguro; liberdade para se aprisionar sem imposição. Já não é mais delírio; faz parte dos planos. Já não tem mais pressa; aprendeu a esperar. Não é mais sonho; virou realidade.
Fred Medeiros. 

Quero ir para um lugar em que a saudade não saiba me encontrar. Que o amor seja o caminho, e as minhas dúvidas não deixem pegadas por onde eu andar. Que a paz sopre os ventos refrescando minha coragem, ser leve a ponto de voar.

Você é a melhor coisa que já me aconteceu. Você é linda, inteligente, você sempre ri das minhas piadas idiotas e você tem o terrível hábito de me salvar. A verdade é que, você é tudo que eu sempre achei que queria e mais. Nos últimos dias, só consigo pensar no nosso futuro juntos, sobre como iria ser… Como nós finalmente ficaríamos juntos de verdade. Sem relacionamentos falsos, sem disfarces, sem mentiras.
Chuck.
O Meu Nome é Imagem

 

 O detalhe, cada pormenorzinho que parece irrelevante nas mais meras situações, caras, gravuras, casas, jardins, no corpo…

 As mãos envolvem um pescoço forte. Um pescoço descontrolado a cada fracção de beijos, a cada contracção involuntária dos músculos a bombear de sangue. As mãos vão fazendo uma pressão ligeira, suficiente para serem bem sentidas e não magoar; os beijos descem e a poesia ascende.
 Os versos chegam na fluidez de uma caneta firme que baloiça no desenhar de cada palavra. As letras têm um carinho especial entre si e vão-se unindo húmidas, no bafejar quente da proximidade com a boca de quem as manuseia.
 O medo não chega a esta tela. A quase imobilidade, nos movimentos tão lentos que quase parados, faz o medo recuar numa confusão débil e, por fim, desaparece nas raízes do sono que lhe chega.
 De par em par, com pinceladas firmes e convictas de um quadro eterno, os pincéis passam do cenário de mãos e pescoço para o do meio envolvente:
 Um espaço sem grades. Paredes com cartazes de cinema e folhas de jornal aos recortes mal colados, duas janelas com vista para mais janelas e para as traseiras do que parece ser o sonho. Há uma cama - o ponto focado, na possibilidade de se focar também o canto de uma secretária (com destaque para o cenário em geral).
 Na cama simples capta-se uma estrutura de madeira clara, uma despreocupação evidente para com os lençóis e, por fim, pernas entrelaçadas na mítica euforia dos amantes. O pincel pára a contemplar cada detalhe. O brilho nos olhares, as mãos jovens, a tentativa de captar a música de fundo.
 O nome está escolhido, o artista foi rápido a carregar no gatilho da decisão: “A Embriaguez do Sono” é o baptismo da imagem. Para simplificar e lhe dar a dedicação devida (sem querer tirar mérito ao título), chamo-lhe “Imagem”. Chamo-lhe “Imagem” pela convivência de cada pincelada e poesia na mesma tela - um confronto artístico que resultou no romance gravado.

Manuel Seatra
01/09/2014
14:55h

Mas o que dói mesmo é esse finalzinho de dia. A hora que eu validava a minha existência com a sua atenção. A hora que eu representava o mundo para a única plateia que me interessa. A hora que eu me irritava um pouco, porque fazia parte. E então tudo isso que pensei e vivi ganhava um motivo maravilhoso e digno que era virar imagem no seu ouvido. Virar realidade. Agora fico aqui me perguntando se eu existo mesmo. Porque se não me conto pra você, o que eu sou? Pra que serve?
Tati Bernardi  
Dizem que tudo na vida tem dois lados. Um bom e outro ruim. Depende nos olhos de quem está a pimenta. Mas se tem algo realmente ambiguo para uma única alma é um troço chamado saudade. Com ou sem primenta nos olhos. O dito popular é quem melhor traduz a dualidade de uma saudade quando diz que esta é a maior prova de que o amor valeu a pena. Então sentir a falta é bom. E ruim. Em todos os pontos de vista. Vai entender… Saudade é amar um passado que nos machuca no presente. É uma felicidade retardada. É deitar na rede e ficar lembrando das ardentes reconciliações depois de brigas homéricas por motivos desimportantes. Sente-se falta de detalhes, como uma toalha no chão, dias chuvosos, da cor dos olhos. A saudade só não mata porque tem o prazer da tortura. Saudade é o amor que não foi embora ainda, embora o amado já o tenha feito. Ter saudade é imaginar onde deve estar agora, se ainda gosta de vinho bordeaux, se chorou com a derrota do Grêmio no campeonato nacional, se tem tratado aquela amigdalite. E quando a saudade não cabe mais no peito, se materializa e transborda pelos olhos. Sentir saudade é ter a ausência sempre do seu lado. É mudar radicalmente a rotina, comer mais salada e menos sorvete, frequentar lugares esquisitos, ter dias mais compridos, ter tempo para os amigos, para o vizinho e para a iguana do vizinho. A saudade é a inconfortável expectativa de um reencontro. Às vezes a saudade é tão grande que nem é mais um sentimento. A gente é saudade. É viver para encontrar o olhar da pessoa em cada improvável esquina, confundir cabelos, bocas e perfumes, sorrir com os lábios tendo o coração sufocado. Porque mesmo a saudade sendo feita para doer, às vezes percebemos que ela é o meio mais eficaz de enxergar o quanto amamos alguém, no passado ou no presente. Por que a saudade é o muro de Berlim desmoronado no chão, capaz de agregar opostos, como a tristeza e a felicidade em uma coisa híbrida. Se você tem saudade é sinal que teve na vida momentos de alegria com ela ou ele! No fim das contas, a saudade que agora lhe maltrata nada mais é que uma dívida sendo paga em longas 36 prestações pelo amor usufruído. Agora aguenta.
Gabito Nunes, prestações de saudade.   
Porque é isso: quando olha, eu tenho a impressão de que a primavera beijou todos os jardins, pois tudo parece florescer onde os seus olhos descansam. Quando está feliz, eu tenho a impressão de que o mundo inteiro brinca de roda com a sua alegria. Quando está triste, eu tenho a impressão de que todos os passarinhos do planeta estão temporariamente na muda e encolheram seu canto.
Ana Jácomo  
E, aquele que não morou nunca em seus próprios abismos, nem andou em promiscuidade com os seus fantasmas, não foi marcado. Não será exposto às fraquezas, ao desalento, ao amor, ao poema.
Manoel de Barros  
E mediante a tantas diversidades, fugas e tentativas de entender a fundo a palavra de tantos extraordinários autores procuro abrir todas as janelas da minha alma, me libertando de conceitos já esculturados - muitos deles por mim mesma, desvendando os segredos da palavra cravada em determinada composição autoral. É como infiltrar no momento exato da escrita, o nascimento da palavra com significado e intenção, tão íntimo do autor. E incrivelmente, em contra partida a esse segundo de descoberta, calado e calmo, me sinto em ebulição, sou centenas de moléculas à procura de sua própria existência.
Elisa Bartlett  
Me acolheu em teus braços, conheceu o melhor de mim, por você fiz tudo, eu te daria o mundo, mas você quis conhecer mais e mais, você e essa sua mania de “preciso de mais”. Eu queria te conhecer mas não tive o tempo que queria, a atenção que pedia. Não te amo, isso é fato, eu não amo ninguém e você sabe, eu só gostava de você, gostava muito, mas o amor que poderia surgir com o tempo, esse se desfez antes mesmo de se construir.
0 notasmeusquotes