Todas as dores também são alívios. O peito que arde devido à sangria, também respira melhor devido o buraco aberto pela navalha. Sentir o riso de um passarinho e o gosto do choro de um cachorro abandonado é arrebatador. Perceber que a natureza só nos consome e nos desgasta e que definhamos como raízes podres de uma laranjeira já desfolhada. Somos água e ainda precisamos bebê-la despoluída, não há filtro dentro de nós. Retemos palavras que não são esquecíveis devido ao peso de molestarem nosso perdão, remoemo-las com o triturador dentário que possuímos. A ferocidade é um desastre inativo até ser incitado, até ser libertado por animais selvagens que vivem sob nossa pele cabeluda. Cada lágrima sem choro é um desperdício de forças musculares natas. A careta do choro é a decaída de máscaras espelhadas e sorrisos de maquiagem. O silêncio ao qual nos fincamos é o vínculo mais familiar com qualquer outro de nossa espécie, nosso parentesco é medido pelos graus de mudez. Somos maleáveis até no nome assim como nossas dores de barro, porque o que é desfeito num átimo pode ser refeito na próxima sequência respiratória e lamentos podem ser engolidos. Portanto, toda dor também é alívio, pois enquanto o cão chora e o periquito ri não há espaço para tristezas brevemente inesquecíveis.
Gilberto Cunha Júnior.
Sempre procurei por um alguém que me amasse e me aceitasse como eu sou. Com minhas crises de ciúmes e todos os meus defeitos.
Ainda estou à procura.
Eu tenho amigos por toda parte. Na praia, cinema, teatro, favela. Amigo jornalista, garçom, vagabundo. Meu negócio não é somar, é multiplicar. Sozinho não dou conta. Eu ando em bando, camuflado, descarado, fazendo festa. O tempo inteiro me sinto em casa, no meio da rua, na madrugada, na multidão. Eu sou da tribo do abraço.
Cazuza. 
Ao contrário de futuros amantes
o meu amor tem pressa
ele não faz silêncio
e corre depressa.
Esperando encontrar-te
em qualquer rua dessas.
Chico Buarque. 

Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só…

Florbela Espanca

Sabe quando a gente vai descobrir a verdadeira felicidade? Quando a gente olhar pro passado e sentir orgulho de quem ele nos tornou. Porque pode parecer clichê dizer isso, mas se não fossem todos aqueles momentos que você passou, aquelas aflições, aquelas alegrias, escolhas erradas… você não seria nada do que é hoje. Mas quem sou eu? Dificilmente alguém tem essa resposta. Porque? Porque cada dia, por mais que a gente viva naquela monotonia que a vida nos obriga, é diferente. Cada dia lidamos com novos problemas, rimos de coisas bobas, e é cada momento desses que nos faz mais humanos, nos faz ser quem somos. Concluindo, sabe aquele passado que todo mundo diz pra você esquecer? Não esqueça. Lembre-se sempre de quem você já foi, e veja agora, a pessoa que você se tornou. Todo mundo muda, muda pra melhor, pro seu melhor. Não importa o que os outros digam. Experimente todos os dias o seu eu, seu melhor lado, simplesmente: seja feliz.
E quem disse que a gente precisa de um motivo pra sorrir?
Senti sua falta hoje. Que engraçado. Não omiti e não tentei pensar em outra coisa. Só não vou te contar por que não te interessa mais, a saudade é minha, quase não tem a ver com você. E o pouco que tem, faço questão de deixar pra lá. Não aceito devolução. Isso não é sobre nós dois, é sobre o que eu vou ter que esquecer… Sozinho.
But, I like you.
Sou
o avesso
do direito
que nunca
ei de ser.
Docismo 
Dois minutos mais

retina com retina num amor de parafina
que derrete sem cor
no banco do metrô
uma oferenda que ficou
pra nossa transa visual
e a pobreza espiritual
de amar desconhecidos
mas não me deixa não
só largo seu olhar esquecido
quando descer na próxima estação.

Ela o amava. Ele a amava também. E ainda que essa coisa, o amor, fosse complicada demais para compreender e detalhar nas maneiras tortuosas como acontece, naquele momento em que acontecia dentro do sonho, era simples. Boa, fácil, assim era. Ela gostava de estar com ele, ele gostava de estar com ela. Isso era tudo.
Caio Fernando Abreu.
Eu não deveria achar a solidão tão acolhedora.
A Hospedeira.